Alfabetos

Com as línguas podemos nos comunicar. Dizemos aos outros o que pensamos ou sentimos. Os sistemas de escrita também desempenham esta função. A maior parte das línguas possui um sistema de escrita. Os sistemas de escrita formam-se a partir de signos. Estes signos (caracteres ou grafemas) podem ser diversos. Muitos sistemas de escrita consistem em letras. Constituem um sistema de escrita alfabética. Um alfabeto é um conjunto ordenado de signos. Estes grafemas seguem determinadas regras para constituírem palavras. A cada signo corresponde um som particular. O termo "alfabeto" vem do grego. Os gregos chamavam por alfa e beta as primeiras letras do seu alfabeto.

Ao longo da história existiram diferentes tipos de alfabetos. Há mais de 3000 anos que o ser humano utiliza grafemas. Antigamente, os signos linguísticos eram símbolos mágicos. Apenas algumas pessoas conheciam o seu significado. Mais tarde, os signos acabaram por perder a sua natureza simbólica. Atualmente, as letras não têm nenhum significado. Apenas quando combinadas com outras letras é que transmitem significado. Há sistemas de escrita, como o dos chineses, que funcionam de um modo diferente. São sistemas de escrita cujos caracteres funcionam, muitas vezes, como desenhos dos conceitos que pretendem expressar. Ao escrevermos, estamos codificando o nosso pensamento. Nós utilizamos signos para fixarmos o nosso conhecimento. O nosso cérebro aprendeu a decodificar o alfabeto. Os caracteres transformam-se em palavras e as palavras em ideias. E assim um texto pode durar séculos. E continuar a ser compreendido...