O corpo reage às línguas

A fala é processada no nosso cérebro. Quando ouvimos ou lemos estamos ativando o nosso cérebro. Isto é algo que pode ser medido através de vários métodos. Mas não só o nosso cérebro reage a estímulos linguísticos. Estudos recentes demonstram que a linguagem também ativa o nosso corpo. O nosso corpo trabalha quando lê ou ouve determinadas palavras. Trata-se, sobretudo, de palavras que descrevem reações físicas. Um bom exemplo disso é a palavra "sorriso". Ao lermos esta palavra, estamos movimentando os nossos "músculos do sorriso". As palavras negativas também têm um efeito mensurável. A palavra "dor" é um exemplo disso. O nosso corpo mostra uma pequena resposta à dor quando lemos esta palavra. Podia dizer-se, então, que nós imitamos aquilo que lemos ou ouvimos.

Quanto mais pictórica for a linguagem, mais evidente é a nossa reação. Uma descrição precisa tem como consequência uma forte reação. A atividade do corpo foi medida em uma experiência realizada neste âmbito. Os indivíduos que participaram nesta experiência foram confrontados com diversas palavras. Eram palavras positivas e negativas. A expressão facial destes indivíduos foi mudando ao longo da experiência. Os movimentos da boca e da testa sofreram variações. Isto prova que a linguagem tem um efeito poderoso sobre nós. As palavras são muito mais do que apenas um meio de comunicação. O nosso cérebro traduz a fala em uma linguagem corporal. O modo exato de funcionamento ainda não foi pesquisado. É provável que os resultados desta experiência venham a ter consequências relevantes. Os médicos discutem a melhor maneira de tratarem os pacientes. Pois muitos doentes têm que passar por um longo tratamento terapêutico. E durante a terapia há muito que dizer...