português PT » inglês UK   Fazer perguntas 1


62 [sessenta e dois]

Fazer perguntas 1

-

62 [sixty-two]

Asking questions 1

62 [sessenta e dois]

Fazer perguntas 1

-

62 [sixty-two]

Asking questions 1

Carrega para ver o texto:   
português PTEnglish UK
aprender / estudar to l---n
Os alunos estudam muito? Do t-- s------- l---- a l--?
Não, estudam pouco. No- t--- l---- a l-----.
   
perguntar to a-k
Faz muitas perguntas ao professor? Do y-- o---- a-- t-- t------ q--------?
Não, não faço muitas perguntas. No- I d---- a-- h-- q-------- o----.
   
responder to r---y
Responda, por favor. Pl---- r----.
Eu respondo. I r----.
   
trabalhar to w--k
Ele está a trabalhar? Is h- w------ r---- n--?
Sim, ele está a trabalhar. Ye-- h- i- w------ r---- n--.
   
vir to c--e
Você vem? Ar- y-- c-----?
Sim, já vamos. Ye-- w- a-- c----- s---.
   
morar to l--e
Você mora em Berlim? Do y-- l--- i- B-----?
Sim, eu moro em Berlim. Ye-- I l--- i- B-----.
   
Warning: sizeof(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /customers/0/c/2/50languages.com/httpd.www/common/languages.php on line 32

Quem quiser falar, tem que escrever!

Nem sempre é fácil aprender línguas estrangeiras. No início, é sobretudo a expressão oral que os alunos de línguas consideram mais difícil. Muitos deles não se atrevem a formular frases na nova língua. Têm demasiado medo de cometer erros. Para esse tipo de alunos a escrita poderia ser uma solução. Pois quem quiser aprender a falar bem tem que escrever o mais possível! Escrever ajuda-nos a integrar a nova língua. Há vários motivos por detrás disto. O modo de funcionamento do ato de escrita é diferente do do ato da fala. Trata-se de um processo muito mais complexo. Quando estamos a escrever, refletimos, durante mais tempo, sobre a escolha das palavras. Por conseguinte, o nosso cérebro trabalha mais intensivamente com a língua nova. Por outro lado, estamos muito mais relaxados quando estamos a escrever.

Não há ninguém do outro lado à espera de uma resposta imediata. E, deste modo, vamos perdendo aos poucos o medo em relação à língua estrangeira. Além disso, a escrita promove ainda a critividade. Sentimo-nos mais livres e mais dispostos para brincar com a nova língua. Ao escrevermos também temos mais tempo do que quando falamos. E isso reforça a nossa memória! A maior vantagem da escrita é, no entanto, a forma dissociada. Ou seja, nós conseguimos observar com exatidão os nossos resultados escritos na nova língua. Nós conseguimos ver tudo claramente diante de nós. E, deste modo, podemos superar e aprender com os nossos erros. Em princípio, não interessa o que se escreve na nova língua. Apenas é importante que se produza frases escritas com regularidade. Quem quiser praticar, podia arranjar um amigo por correspondência no estrangeiro. E, eventualmente, poderiam até se encontrar pessoalmente. No fim, iria verificar que falar tornou-se muito mais fácil!