Guia de conversação

px Passado 2   »   fi Menneisyysmuoto 2

82 [oitenta e dois]

Passado 2

Passado 2

82 [kahdeksankymmentäkaksi]

Menneisyysmuoto 2

Escolha como deseja ver a tradução:   
Português (BR) Finlandês Tocar mais
Você teve de chamar uma ambulância? P----ö---nu- so---aa amb-----s-? Pitikö sinun soittaa ambulanssi? P-t-k- s-n-n s-i-t-a a-b-l-n-s-? -------------------------------- Pitikö sinun soittaa ambulanssi? 0
Você teve de chamar o médico? Pi-i------un----t----l----r-? Pitikö sinun soittaa lääkäri? P-t-k- s-n-n s-i-t-a l-ä-ä-i- ----------------------------- Pitikö sinun soittaa lääkäri? 0
Você teve de chamar a polícia? P----ö--inu- s-it-aa--o--isi? Pitikö sinun soittaa poliisi? P-t-k- s-n-n s-i-t-a p-l-i-i- ----------------------------- Pitikö sinun soittaa poliisi? 0
Você tem o número de telefone? Ainda agora o tinha. O--o-te---ä -u-el-nn------ M-nulla -li--- -ie---äsk--. Onko teillä puhelinnumero? Minulla oli se vielä äsken. O-k- t-i-l- p-h-l-n-u-e-o- M-n-l-a o-i s- v-e-ä ä-k-n- ------------------------------------------------------ Onko teillä puhelinnumero? Minulla oli se vielä äsken. 0
Você tem o endereço? Ainda agora o tinha. On-- --i--- -soite?-Ä---- m--u-l---l--se-vie-ä. Onko teillä osoite? Äsken minulla oli se vielä. O-k- t-i-l- o-o-t-? Ä-k-n m-n-l-a o-i s- v-e-ä- ----------------------------------------------- Onko teillä osoite? Äsken minulla oli se vielä. 0
Você tem o mapa? Ainda agora o tinha. Onko-t-il-- -----n-i--k----a? Äsken-min-lla---i ---vi-lä. Onko teillä kaupungin kartta? Äsken minulla oli se vielä. O-k- t-i-l- k-u-u-g-n k-r-t-? Ä-k-n m-n-l-a o-i s- v-e-ä- --------------------------------------------------------- Onko teillä kaupungin kartta? Äsken minulla oli se vielä. 0
Ele foi pontual? Ele não pôde ser pontual. Tul--o --n --o--s-?-H-n ei voinut -u-la ajoi-s-. Tuliko hän ajoissa? Hän ei voinut tulla ajoissa. T-l-k- h-n a-o-s-a- H-n e- v-i-u- t-l-a a-o-s-a- ------------------------------------------------ Tuliko hän ajoissa? Hän ei voinut tulla ajoissa. 0
Ele achou o caminho? Ele não podia achar o caminho. Lö--ikö h-n--ien? H------voi-u- -ö-tää-ti-tä. Löysikö hän tien? Hän ei voinut löytää tietä. L-y-i-ö h-n t-e-? H-n e- v-i-u- l-y-ä- t-e-ä- --------------------------------------------- Löysikö hän tien? Hän ei voinut löytää tietä. 0
Ele te entendeu? Ele não me podia entender. Y-m---ikö hän -i-ua? H----i y--ärt--y- ---ua. Ymmärsikö hän sinua? Hän ei ymmärtänyt minua. Y-m-r-i-ö h-n s-n-a- H-n e- y-m-r-ä-y- m-n-a- --------------------------------------------- Ymmärsikö hän sinua? Hän ei ymmärtänyt minua. 0
Por que é que você não podia ser pontual? Mik-i e----i-u- tulla -j-i-s-? Miksi et voinut tulla ajoissa? M-k-i e- v-i-u- t-l-a a-o-s-a- ------------------------------ Miksi et voinut tulla ajoissa? 0
Por que é que você não podia achar o caminho? Mi-si-e- -------l--tä- ti--ä? Miksi et voinut löytää tietä? M-k-i e- v-i-u- l-y-ä- t-e-ä- ----------------------------- Miksi et voinut löytää tietä? 0
Por que é que você não podia entender? Mi--i -- -o---t-ym--r-ää----t-? Miksi et voinut ymmärtää häntä? M-k-i e- v-i-u- y-m-r-ä- h-n-ä- ------------------------------- Miksi et voinut ymmärtää häntä? 0
Eu não pude ser pontual porque não havia ônibus. En vo-n-t---ll- ajoi-s-,---sk--buss- ei---n-yt. En voinut tulla ajoissa, koska bussi ei mennyt. E- v-i-u- t-l-a a-o-s-a- k-s-a b-s-i e- m-n-y-. ----------------------------------------------- En voinut tulla ajoissa, koska bussi ei mennyt. 0
Eu não pude achar o caminho porque não tinha um mapa da cidade. En --i--t l-ytää --e--,-kosk--m---l-a-e- -llut---upu--in--ar-ta-. En voinut löytää tietä, koska minulla ei ollut kaupungin karttaa. E- v-i-u- l-y-ä- t-e-ä- k-s-a m-n-l-a e- o-l-t k-u-u-g-n k-r-t-a- ----------------------------------------------------------------- En voinut löytää tietä, koska minulla ei ollut kaupungin karttaa. 0
Eu não pude entendê-lo porque a música estava muito alta. En v---u- -m--rtää-häntä, -o-----usi-kk- -li-nii---o----a. En voinut ymmärtää häntä, koska musiikki oli niin kovalla. E- v-i-u- y-m-r-ä- h-n-ä- k-s-a m-s-i-k- o-i n-i- k-v-l-a- ---------------------------------------------------------- En voinut ymmärtää häntä, koska musiikki oli niin kovalla. 0
Eu tive que pegar um táxi. Mi--- --ti otta- -aksi. Minun piti ottaa taksi. M-n-n p-t- o-t-a t-k-i- ----------------------- Minun piti ottaa taksi. 0
Eu tive que comprar um mapa. M-n-n --ti--s-a- k-upung-n---r---. Minun piti ostaa kaupungin kartta. M-n-n p-t- o-t-a k-u-u-g-n k-r-t-. ---------------------------------- Minun piti ostaa kaupungin kartta. 0
Eu tive que desligar o rádio. M-nun p--- ---mut-a----d--. Minun piti sammuttaa radio. M-n-n p-t- s-m-u-t-a r-d-o- --------------------------- Minun piti sammuttaa radio. 0

É melhor aprender línguas no estrangeiro!

Os adultos não aprendem línguas tão facilmente como as crianças. O desenvolvimento do seu cérebro está concluído. Por esta razão, pode não ser tão fácil a criação de novas redes neurais. Todavia, pode-se aprender muito bem uma língua mesmo quando já se é adulto! Para tal, é preciso viajar para o país onde se fala essa língua. É no estrangeiro que se aprende, efetivamente, uma língua estrangeira. Qualquer um que tenha feito um curso de línguas de férias no estrangeiro sabe disso. Em um contexto de imersão aprende-se a nova língua com mais rapidez. Pois bem, um estudo recente chegou a uma conclusão interessante. Ficou demonstrado que também aprendemos de um modo diferente uma nova língua quando estamos no estrangeiro! O cérebro processo a língua estrangeira como se fosse uma língua materna. Entre os pesquisadores, há uma crença antiga de que existem diferentes processos de aprendizagem. Parece, portanto, que uma experiência vem agora confirmá-la. Um grupo de indivíduos teve que aprender uma língua inventada. Uma parte dos indivíduos envolvidos na experiência frequentou aulas normais. A outra parte da aprendizagem transcorreu em um contexto de imersão simulado. Os indivíduos tinham que agir como se estivessem em um ambiente estrangeiro. Todas as pessoas com quem eles tinham contato falavam a nova língua. Por isso, estes indivíduos não eram alunos de línguas, no seu sentido tradicional. Pertenciam a uma comunidade estrangeira de falantes. Assim, foram forçados a se virarem rapidamente com a nova língua. Passado um tempo, estes indivíduos foram submetidos a um teste. Ambos os grupos evidenciaram o mesmo nível de conhecimentos da nova língua. Ainda que o seu cérebro tivesse processado a língua estrangeira de um modo diferente! Aqueles que aprenderam em um ‘contexto de imersão’ evidenciaram níveis notáveis de atividade cerebral. O cérebro deles processou a gramática estrangeira como a da sua própria língua. Foi possível identificar os mesmos mecanismos utilizados pelos falantes nativos. Um curso de férias no estrangeiro é a melhor forma e a mais efetiva de se aprender uma língua!