Guia de conversação

px gostar de qualquer coisa   »   it aver voglia di qualcosa

70 [setenta]

gostar de qualquer coisa

gostar de qualquer coisa

70 [settanta]

aver voglia di qualcosa

Você pode clicar em cada espaço em branco para ver o texto ou:   
Português (BR) Italiano Tocar mais
Você quer fumar? Le v- d- f-----? Le va di fumare? 0
Você quer dançar? Le v- d- b------? Le va di ballare? 0
Você quer passear? Le v- d- f--- u-- p----------? Le va di fare una passeggiata? 0
Eu quero fumar. Vo---- f-----. Vorrei fumare. 0
Você quer um cigarro? Vu-- u-- s--------? Vuoi una sigaretta? 0
Ele quer isqueiro. Lu- v------- a-------- (u-- s--------). Lui vorrebbe accendere (una sigaretta). 0
Eu quero beber alguma coisa. Vo---- b--- q-------. Vorrei bere qualcosa. 0
Eu quero comer alguma coisa. Vo---- m------- q-------. Vorrei mangiare qualcosa. 0
Eu quero descansar um pouco. Vo---- r-------- u- p--. Vorrei riposarmi un po’. 0
Eu quero lhe perguntar uma coisa. Vo---- c-------- u-- c---. Vorrei chiederLe una cosa. 0
Eu quero lhe pedir um favor. Vo---- c-------- u- f-----. Vorrei chiederLe un favore. 0
Eu quero convidá-lo para alguma coisa. Vo---- o------- q-------. Vorrei offrirLe qualcosa. 0
O que deseja, por favor? De------- p----? Desidera, prego? 0
Deseja um café? Gr------ u- c----? Gradisce un caffè? 0
Ou prefere antes um chá? O p--------- u- t-? O preferisce un tè? 0
Queremos ir para casa. Vo------ a----- a c---. Vorremmo andare a casa. 0
Querem um táxi? Vo------ u- t----? Vorreste un tassì? 0
Eles querem telefonar. Lo-- v--------- t---------. Loro vorrebbero telefonare. 0

Duas línguas= dois centros linguísticos

O nosso cérebro não fica indiferente quando aprendemos uma língua. Pois tem vários arquivos para línguas diferentes. Nem todas as línguas que aprendemos são armazenadas em conjunto. As línguas que aprendemos quando somos adultos têm o seu próprio arquivo. Ou seja, o cérebro processa as novas regras em outra área. Não se armazenam na mesma área da língua materna. Por outro lado, as pessoas que crescem com duas línguas utilizam apenas uma única região. Foi esta a conclusão à qual chegaram numerosos estudos. Neurolinguistas fizeram várias experiências com vários indivíduos. Estes indivíduos falavam fluentemente duas línguas. Metade do grupo tinha crescido com as duas línguas. Por outro lado, a outra metade tinha aprendido a segunda língua apenas mais tarde. Através de testes linguísticos, os pesquisadores conseguiram medir os níveis da atividade cerebral. E, assim, identificaram quais eram as regiões do cérebro ativadas durante os testes. E assim, constataram que os aprendizes ‘tardios’ possuíam dois centros linguísticos! Na verdade, os pesquisadores já suspeitavam disso. As pessoas com uma lesão cerebral revelaram diversos sintomas. Por isso, uma lesão do cérebro pode originar vários problemas com a linguagem. Os afetados pronunciavam e entendiam mal as palavras. No caso dos bilíngues, os sintomas demonstrados eram bastante particulares. Os seus problemas linguísticos nem sempre afetavam as duas línguas. A lesão de uma das regiões do cérebro não impede o funcionamento da outra. Por conseguinte, os pacientes falavam uma língua melhor do que a outra. E, do mesmo modo, a reaprendizagem das duas línguas ocorre de um modo diferente. Isto prova que as duas línguas não se encontram armazenadas na mesma região. Como não foram adquiridas ao mesmo tempo, pertencem a duas áreas cerebrais diferentes. Ainda se desconhece, por enquanto, o modo como o nosso cérebro gerencia as várias línguas. Todavia, as novas descobertas poderiam implicar em novas estratégias de aprendizagem...